Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Jejum ou dieta?

Ouço falar sobre vários tipos de jejum. O jejum de Daniel é o que goza de maior popularidade. O que me admira é que há pessoas que sempre estão em jejum. Terminei um jejum de carne e vou começar um jejum de pão, elas dizem. Fico pensando se elas não estão confundindo dieta com jejum. Afinal, qual é a diferença entre dieta e jejum?
Creio que a maior diferença é o propósito, a motivação. Muitos utilizam o jejum para merecer favores de Deus. Afirmam: O meu marido vai ser promovido. Jejuei duas semanas neste sentido. E assim como subir a escadaria da igreja do Bonfim para conseguir  "a graça"  o crente passa a jejuar com a mesma finalidade, pensando que seus sacrifícios e esforços  próprios podem mudar sua realidade. 
Alguns  jejuam para emagrecer ou manter a forma física. Outros o fazem como um ritual que precisa ser cumprido.
Qual era a motivação de Daniel quando fez o seu jejum? A Bíblia afirma que ele resolveu não se contaminar com as iguarias do rei. Sua motivação, portanto, era sua santificação. Ele não buscava favores, não estava se penitenciando por causa de sentimentos de culpa e nem queria ganhar méritos por seu jejum. Ele resolveu no seu coração que não podia se contaminar porque ele estava separado para Deus. Tudo o que pudesse ofender a santidade de Deus não servia para Daniel. Certamente, a alimentação bonita, cheirosa e até saborosa oferecida pelo rei era sacrificada a ídolos e a outros deuses. Daniel era um jovem comprometido com seu Deus.
O profeta Zacarias profetiza falando do verdadeiro jejum.
(Zacarias 7:5-10) - Fala a todo o povo desta terra, e aos sacerdotes, dizendo: Quando jejuastes, e pranteastes, no quinto e no sétimo mês, durante estes setenta anos, porventura, foi mesmo para mim que jejuastes? Ou quando comestes, e quando bebestes, não foi para vós mesmos que comestes e bebestes? [...]Assim falou o SENHOR dos Exércitos, dizendo: Executai juízo verdadeiro, mostrai piedade e misericórdia cada um para com seu irmão. E não oprimais a viúva, nem o órfão, nem o estrangeiro, nem o pobre, nem intente cada um, em seu coração, o mal contra o seu irmão.
O jejum aceitável ao Senhor vem acompanhado de atitude de obediência, de quebrantamento, de santificação, de comunhão com Ele e com o seu irmão. A motivação do jejum há de ser a busca de maior intimidade com Deus.  Há de ser para a própria santificação e engrandecimento de Deus.  Há de ser acompanhado de boas obras. Se assim não for o jejum significa apenas um ritual sem sentido.
Muitas vezes, antes de fazermos jejum de alimentação, precisamos fazer jejum de palavras. Quantos pais não Têm jejuado amaldiçoando o próprio filho... Quantos de nós não temos jejuado maldizendo nosso irmão... O jejum é também uma oferta a Deus e Ele não quer ofertas contaminadas.
Você tem jejuado ou feito dietas? Consulte o seu coração e responda para si mesmo: você tem jejuado para Deus ou para si?

Um comentário:

  1. Muito boa a sua aborfagem a respeito do jejum.

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário